Chemical Risk

+55 (11) 4506-3196 / (11) 94706-2278

É verdade ou mentira? Confira mitos da segurança ocupacional

Investir na implementação de processos e medidas de segurança ocupacional resulta em muitos benefícios sob vários aspectos. Os gastos diminuem, a imagem da empresa melhora, assim como o engajamento da equipe. A produtividade apresenta melhoras significativas. Porém, apesar de tantas vantagens, ainda existem alguns mitos da segurança ocupacional que precisamos explicar.

Leitura recomendada: Como o uso de produtos químicos impacta as questões de segurança e saúde ocupacional

O que é segurança ocupacional na prática?

A segurança ocupacional diz respeito às técnicas e aos padrões que têm como objetivo promover a proteção do colaborador durante a execução de suas atividades. O que reduz o número de acidentes de trabalho, bem como as doenças ocupacionais.

Quando o profissional exerce as suas atividades em um ambiente seguro e saudável, com condições adequadas, seu desempenho cresce. Como consequência, os resultados do negócio também. Concluímos, então, que a promoção e preservação da saúde do trabalhador é um fator chave para o sucesso de qualquer empresa.

Já ouviu falar sobre mitos da segurança ocupacional?

A despeito da importância que representa, você já deve ter reparado que existem muitos boatos no mundo da segurança e os mitos de saúde e segurança estão por toda parte. 

Frequentemente, nos diversos tipos de ambientes de trabalho, ouvimos certas “verdades”. Na verdade, isso nada mais é do que mitos passados entre os colaboradores, a respeito de trabalho seguro. O que, muitas vezes, é proveniente de conceitos antigos e ultrapassados de segurança. 

Certamente, você já ouviu, se não todos, alguns dos mitos que listamos a seguir. Assim, você, profissional envolvido na segurança dos colaboradores, pode contrapor determinados mitos e frases feitas, que podem, na verdade, esconder práticas perigosas no ambiente de trabalho. 

Portanto, não deixe de conferir e passar essas informações aos seus pares. Afinal, a segurança do trabalho é responsabilidade de todos. Então, vamos lá?

Mito 1 – Segurança do trabalho é custo e não investimento

É mentira: um programa de segurança eficaz custa dinheiro sim. 

Existem custos iniciais no desenvolvimento e documentação de processos e procedimentos, treinamento de funcionários (tanto funcionários operacionais, quanto funcionários de gerenciamento) e, possivelmente, até mesmo fazer alterações em equipamentos e engenharia para aumentar a segurança. 

Mas, em longo prazo, a segurança economiza dinheiro. Em outras palavras: segurança é um ganha-ganha!

Considere os custos de não ter um programa de segurança eficaz e um acidente resultante. Pense nos potenciais custos médicos e nas responsabilidades por danos pessoais. Pense no custo da investigação e auditoria e na atenção extra da empresa e do público que um acidente pode trazer. E pense em uma investigação do Ministério do Trabalho ou do Ministério Público e o potencial pagamento de grandes multas!

Ou seja, o investimento em segurança gera retorno.

Leitura recomendada: Por que investir em segurança do trabalho? Saiba como calcular o ROI

Mito 2 – Segurança do trabalho reduz a produção

Entre os mitos da segurança ocupacional, este é um dos mais comuns e vem do fato de muitos funcionários acreditarem que o profissional da segurança do trabalho é contra produtivo e “atrapalha” o bom andamento das atividades da empresa. E o que provoca essa ideia?

A segurança do trabalho é responsável pelo cumprimento dos procedimentos existentes, bem como pelo funcionamento correto dos equipamentos. E, quando alguma coisa não está segura, pode interditar ou suspender uma atividade. O que provoca uma sensação de atraso na produção.

Porém, estas atitudes garantem a produtividade e os menores custos em longo prazo, não o contrário.

Mito 3 – A segurança do trabalho é responsabilidade do empregador – não minha

Não! Seu empregador tem a maior responsabilidade quando se trata de garantir um ambiente de trabalho seguro e saudável. Ele deve manter um local protegido e bem conservado, fornecer informações sobre riscos, disponibilizar equipamentos de segurança adequados, treinamento e supervisão competentes, e seguir os procedimentos e legislação pertinente.

No entanto, seu empregador não pode fazer muito para protegê-lo de quaisquer riscos potenciais à segurança. Cabe a você trabalhar com segurança e não correr riscos, relatar condições inseguras, usar os equipamentos de segurança adequados para o trabalho e manter-se atualizado com seu empregador sobre as preocupações relacionadas à saúde e segurança.

Ou seja, os colaboradores também desempenham um papel fundamental na sua própria segurança pessoal e são responsáveis por ela.

Mito 4 – A Segurança do trabalho é muito chata

O que há de chato em salvar vidas? Com toda a seriedade, a saúde e segurança ocupacional é um processo de negócios essencial, como RH, contas, gerenciamento de projetos. Todos os processos de negócios podem parecer chatos às vezes, mas todos eles beneficiam seus negócios. 

O que pode acontecer, algumas vezes, é que a abordagem utilizada não é a mais adequada. Porém, atualmente, existem várias metodologias comportamentais que auxiliam o profissional de segurança na sua forma de abordagem e adequá-la de acordo com a situação. Dessa forma, é possível ser mais assertivo ao desempenhar sua função. 

E, ao se considerar a economia de custos e os benefícios de negócios que a saúde e a segurança podem trazer, a percepção com certeza será outra.

Saiba mais: Quem é e o que faz o higienista ocupacional?

Mito 5 – Saúde e segurança são coisas do senso comum

Muitas vezes, acredita-se que os colaboradores já foram treinados o suficiente e que já internalizaram os conceitos de saúde e segurança do ambiente de trabalho. É certo que o bom senso ajuda muito a manter o local seguro durante as atividades do dia a dia.  

Mas devemos considerar que os riscos presentes no ambiente de trabalho são mais complicados do que o senso comum pode compreender. Isso porque eles são dinâmicos e é preciso que os colaboradores estejam cientes disso. 

Os perigos e riscos que seus funcionários enfrentam no trabalho, algumas vezes, são mais difíceis de serem percebidos. E as consequências podem ser mais graves. Portanto, realizar treinamentos de segurança corretos ajuda bastante na prevenção de acidentes.

Mito 6 – Não importa se o seu EPI é desconfortável. Você tem que usar o que foi fornecido a você

Não é verdade! Quando os trabalhadores recebem EPIs desconfortáveis, é menos provável que os usem e sabemos que o conforto de um equipamento de proteção individual é um fator importante na aceitação do usuário.

Por exemplo, no caso dos respiradores, os que possuem maior aceitação do usuário são mais propensos a serem usados adequadamente. Com a aplicação da metodologia descrita no Programa de Proteção Respiratória (PPR da Fundacentro), é possível aos empregadores garantir que o conforto de seus colaboradores seja considerado ao selecionar a proteção respiratória mais adequada. 

Agora, as preferências pessoais sobre resistência respiratória, deficiência visual, deficiência de comunicação e peso do respirador devem ser avaliadas durante os testes de ajuste respiratório. 

Lembrando ainda que, atualmente, contamos com um grande número de respiradores, com tamanhos diferentes, para que a adequação seja a melhor possível. Devemos ficar atentos, quanto à obrigatoriedade legal da implantação do PPR.

Leitura recomendada: Proteção respiratória contra produtos químicos: o que você precisa saber

Mito 7 – Só é necessário atender à legislação e obter uma certificação

Este é um dos piores mitos da segurança ocupacional e há um grande mal-entendido por aí. Não se pode acreditar que, se uma empresa atende a todos os requisitos regulatórios da legislação pertinente, então, é uma empresa que atingiu o status de segura. 

Na verdade, a legislação e outras normas apenas estabelecem os padrões mínimos, que uma organização precisa atender para proteger seus colaboradores. Nenhuma companhia deve interromper seus treinamentos e processos de segurança apenas porque já alcançou a conformidade. 

O foco é manter os colaboradores e seu ambiente de trabalho o mais seguro possível. Isso geralmente significa ir além dos regulamentos para garantir a segurança de todos os profissionais, implementando sempre as melhores práticas.

É importante lembrar que a busca da segurança no ambiente de trabalho é por manter todos a salvo de lesões e danos. Afinal, há muitas informações disponíveis sobre segurança no local de trabalho e, infelizmente, algumas delas não são verdadeiras. 

Algumas dessas informações enganosas declaram que os programas de treinamento de segurança são mais problemáticos do que valem a pena e geram mitos que, em última análise, afastam a empresa do objetivo final. 

Em suma, citamos aqui 7 mitos da segurança ocupacional que você simplesmente não deve acreditar e o porquê.

Como a Chemical Risk acaba com mitos da segurança ocupacional

Para te ajudar a acabar com os mitos da segurança ocupacional, manter sua empresa segura, evitar acidentes e promover o compliance com as legislações, conte com o apoio da Chemical Risk.

Somos uma consultoria especializada em gestão de segurança ocupacional e segurança química, com mais de 10 anos de mercado, profissionais altamente qualificados e serviços de excelência reconhecidos pelas empresas que confiam no nosso trabalho.

Disponibilizamos serviços de segurança ocupacional e segurança química para auxiliar a sua empresa a avaliar a situação atual do ambiente de trabalho e implementar as melhores práticas e medidas de prevenção.

Quer saber mais detalhes? Entre em contato conosco agora mesmo!

Gostou deste artigo?

Share on facebook
Share on Facebook
Share on twitter
Share on Twitter
Share on linkedin
Share on Linkdin
Share on pinterest
Share on Pinterest

comentar

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.