Chemical Risk

atendimento@chemicalrisk.com.br
+55 (11) 4506-3196 / (11) 94732-0686 / (11) 94706-2278

Conheça as melhores práticas na gestão de produtos químicos

Já falamos algumas vezes sobre a gestão de produtos químicos, o seu risco e a importância de fazer o controle correto nas empresas para evitar acidentes. Neste artigo, vamos trazer as melhores práticas sobre o assunto. Mas, antes, vamos entender melhor sobre os produtos químicos.

Os produtos químicos são os blocos de construção da vida. Tudo que você vê, e até mesmo o que você não vê, como o ar, é composto de produtos químicos. Você já deve ter ouvido algum professor dizer que “a química está em toda parte”. 

Se analisarmos friamente, percebemos que praticamente tudo é produto químico, desde a água, o ar que respiramos, o plástico que compõe o computador, o papel em que escrevemos…. Isso tudo é resultado de alguma reação química que gerou tudo o que conhecemos.  

Mas, como tudo sempre tem dois lados, existe o fato de que os produtos químicos podem prejudicar a saúde humana e o meio ambiente. Por esse motivo, os produtos químicos são altamente regulamentados há décadas. 

Um cenário regulatório rigoroso e a pressão pública para eliminar o uso de produtos químicos perigosos levaram a desafios significativos de gerenciamento de produtos químicos para a indústria e as demais empresas. 

Felizmente, hoje em dia, as organizações aprenderam como lidar com os produtos implementando as melhores práticas tanto para o cumprimento das regulamentações, como para a prevenção.

Assim, a gestão de produtos químicos deve incluir todas as etapas: manipulação, armazenamento, controle e transporte, no mínimo.

Quais produtos gerenciar?

Quando falamos em sistema de gestão, devemos considerar quatro etapas: planejamento, execução, verificação e ação. 

Ao analisar o conceito de produtos químicos e ao se perguntar “o que eu realmente devo gerenciar”, você já está planejando e, consequentemente, gerenciando. 

O primeiro grande desafio é se conhecer todos os produtos químicos presentes nas etapas de fabricação, manuseio, armazenamento e transporte, bem como todos os riscos associados e eles. 

Leitura recomendada: Como funciona a classificação de substâncias e misturas de produtos químicos?

Grupos tóxicos a serem considerados

Podemos definir um número de compostos tóxicos considerados como de maior preocupação. O que facilitará o conhecimento em relação à sua toxicidade

Um grupo de grande relevância são os plásticos e plastificantes, que são materiais formados pela união de grandes cadeias moleculares chamadas polímeros. 

Os polímeros mais comuns utilizados são polietileno (PE), polipropileno (PP), cloreto de polivinil (PVC), poliestireno (OS) e poliuretano (PU ou PUR). O tamanho e a estrutura da molécula do polímero determinam as propriedades do material plástico.

Muitas vezes, determinados aditivos são adicionados para melhoria de desempenho. São eles que agregam propriedades negativas aos plásticos, mais do que os próprios polímeros. Um dos aditivos são os plastificantes, como por exemplo, os Ftalatos, que possuem como perigo a toxicidade para a reprodução.

Outros grupos perigosos são:

Praguicidas

Podem ser substâncias químicas ou agentes biológicos lançados de encontro às pragas que estiverem destruindo uma plantação, disseminando doenças etc. Um biocida ou praguicida pode matar ou impedir o desenvolvimento e a ação de um organismo. 

São ingredientes comuns em produtos sensíveis ao crescimento bacteriano, durante a vida útil, a fabricação e o transporte do produto final conferindo propriedades antibacterianas. Não são necessariamente venenos, porém, quase sempre apresentam toxicidade ao ser humano.

Leitura recomendada: Saiba tudo sobre a avaliação da exposição ocupacional aos agentes químicos

Retardantes de chamas

São substâncias químicas que possuem a ação de retardar a ignição, diminuir a velocidade de queima e minimizar a emissão de fumaça dos materiais incorporados. Podem ser aplicados em roupas de proteção, tecidos de revestimento etc. 

O termo “retardante de chama” não se refere a uma classe específica de produtos químicos. Na verdade, ele descreve sua função. Existem mais de 200 tipos diferentes de retardantes de chama, sendo que os elementos químicos mais comuns utilizados em sua composição são: bromo, cloro, fósforo, nitrogênio e hidróxidos metálicos. Em termos de toxicidade os bromados, são tóxicos e bioacumuláveis. 

Metais pesados

São substâncias altamente reativas e bioacumulativas, ou seja, o organismo não é capaz de eliminá-los. As propriedades tóxicas incluem distúrbios mentais e físicos. Como exemplos, podemos citar o cromo, arsênio, cádmio, chumbo e mercúrio. Embora sua toxicidade seja conhecida, são amplamente utilizados em baterias, equipamentos eletrônicos e brinquedos. 

Desreguladores endócrinos

Os desreguladores endócrinos ou disruptores endócrinos são substâncias químicas, naturais ou produzidas pelo homem. Eles podem interferir no sistema endócrino, produzindo efeitos adversos no desenvolvimento, na reprodução e em funções neurológicas e imunológicas, tanto em seres humanos quanto em animais.

Gestão de produtos químicos completa na empresa

O gerenciamento de produtos químicos abrange uma ampla faixa de atividades dentro de uma empresa, desde os produtos usados nos processos de fabricação até produtos de limpeza, tintas e solventes usados na manutenção das instalações etc. 

Esses produtos químicos que entram nos locais de trabalho são frequentemente adquiridos e recebidos por meios regulares de aquisição. O que torna difícil aos responsáveis controlar esses produtos e, muito menos, garantir que sejam armazenados, manuseados e descartados de forma correta. 

Leitura recomendada: Riscos dos produtos químicos no ambiente de trabalho: legislação e penalidades

Para ajudá-lo a enfrentar esses desafios, aqui estão algumas práticas recomendadas para a gestão de produtos químicos. 

  1. Avaliar produtos químicos no estágio de projeto do produto

Já ouvimos, muitas vezes, que é mais fácil e barato consertar um problema quando ele ainda é pequeno. O mesmo princípio se aplica a produtos que contêm produtos químicos, sejam eles artigos que têm componentes com produtos químicos ou misturas químicas que incluem substâncias ou outras misturas.

Quando um produto está em estágio de projeto e seus componentes ou ingredientes estão em estado de definição, todos os produtos químicos que irão no produto devem ser avaliados para determinar se eles incluem substâncias regulamentadas ou perigosas. 

Se necessário, é mais fácil substituir componentes ou ingredientes na fase de design, em vez da fase de fabricação quando o produto já foi aprovado e as matérias-primas já foram adquiridas. Isso também pode ajudar a evitar a não conformidade, recalls de produtos ou danos potenciais aos consumidores ou ao meio ambiente. 

  1. Elaborar um eficiente inventário de produtos químicos

Pode parecer óbvio, mas o gerenciamento químico eficaz começa com o conhecimento dos produtos químicos existente na empresa. Um inventário de produtos químicos atualizado é a base para um programa de conformidade e gestão de produtos químicos.

Se você não consegue ver quais produtos químicos estão presentes em seu local de trabalho, não é possível identificar riscos potenciais à segurança ou ao meio ambiente. Não há como garantir que você tenha as FISPQs atualizados, verificar o atendimento dos rótulos, ou a adoção do equipamento de proteção individual apropriado. 

Nessa fase, é imprescindível o conhecimento dos perigos dos produtos químicos. Para isso, a empresa deve obter junto ao fornecedor as FISPQs atualizadas e com qualidade de informações. A questão dos rótulos das embalagens também é de vital importância, pois permitirá o correto armazenamento e segregação de acordo com a incompatibilidade.

  1. Controlar a entrada de novos produtos químicos na empresa

Para que o inventário de produtos químicos não fique desatualizado, a empresa deve fazer o controle de entrada de novos produtos. Esse controle pode ser feito através de um sistema de aprovação para vários produtos, que inclua áreas chaves da empresa, como Suprimentos, Segurança do Trabalho, Medicina do Trabalho, Meio Ambiente, Controle de Emergências etc. 

Com esse tipo de controle, o inventário de produtos químicos se manterá atualizado. Assim, não haverá o risco de desconhecimento de produtos manuseados sem o devido controle. 

  1. Determinar os impactos das mudanças da cadeia de suprimentos nos produtos

A maioria das empresas faz parte de cadeias de suprimentos complexas. Qualquer mudança em uma cadeia de suprimentos, pode ter um efeito cascata. Os fornecedores também estão sujeitos a obrigações de conformidade. O que significa que podem modificar, substituir ou até mesmo retirar totalmente os materiais. 

Cada vez que um fornecedor faz uma alteração em um material que você compra, você deve determinar os impactos em seus produtos que incluem aquele material específico. 

Leitura recomendada: Toxicologia Ocupacional: o que é, qual sua importância e como está presente nas empresas?

  1. Avaliar e fazer o controle de riscos

A partir do mapeamento de todos os produtos químicos existentes, há o conhecimento dos perigos associados a estes. O próximo passo é a avaliação dos riscos de exposição dos colaboradores na realização de suas atividades de trabalho.

A avaliação dos riscos irá permitir a adoção dos controles necessários para se evitar a exposição aos produtos, incluindo os equipamentos de proteção individual, quando necessários. 

  1. Realizar treinamentos

Para que as boas práticas de gestão de produtos químicos atinjam o seu objetivo, a organização precisa alcançar o comprometimento de todos os envolvidos. Nesse caso, os treinamentos têm papel primordial para a melhoria contínua de todo o processo. 

A gestão da empresa pode desenvolver treinamentos que chamem a atenção dos colaboradores, com a realização no próprio local de trabalho. Algumas sugestões de tópicos são: 

  • Riscos químicos;
  • Sinalização;
  • Compatibilidade química;
  • Armazenamento;
  • Descarte, uso e conservação de EPIs;
  • Entendimento da FISPQ e rótulo;
  • Entre outros. 

Ao adotar as melhores práticas, a gestão de produtos químicos fica mais integrada ao processo de negócios, tornando-se uma vantagem estratégica. Os principais benefícios são: 

  • Aumento de eficiência;
  • Diminuição da responsabilidade legal e do risco;
  • Melhora na segurança da planta;
  • Minimização de acidentes;
  • Melhores resultados financeiros. 

Como a Chemical Risk pode ajudar na gestão de produtos químicos

Para garantir uma eficiente gestão de produtos químicos, com avaliação de riscos e mapeamento completo de todos os processos da sua organização, conte com uma consultoria especializada no assunto.

Com conhecimento de mercado, profissionais altamente capacitados, experiência e credibilidade, a Chemical Risk está pronta para ajudar o seu negócio. 

Fazemos toda a análise e estudo dos produtos usados, da exposição dos trabalhadores, do risco de acidentes, da incompatibilidade no armazenamento e das melhores práticas da gestão de produtos químicos.

Confira nossos principais serviços de segurança química, que envolvem desde uma consultoria completa até a elaboração dos documentos de segurança, como FISPQs, FDSR e outros.

Além disso, também temos treinamentos especializados e focados em diversos temas para conscientizar os colaboradores.

Ficou interessado? Entre em contato conosco e peça um orçamento gratuito.

Gostou deste artigo?

Share on facebook
Share on Facebook
Share on twitter
Share on Twitter
Share on linkedin
Share on Linkdin
Share on pinterest
Share on Pinterest

comentar

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *