Chemical Risk

atendimento@chemicalrisk.com.br
+55 (11) 4506-3196 / (11) 94732-0686 / (11) 94706-2278

Produtos corrosivos: qual a toxicidade e os perigos à saúde?

Os produtos corrosivos incluem ácidos, bases, oxidantes e fósforo branco e provocam um quadro característico de queimadura química. A terminologia empregada para os agentes corrosivos muitas vezes torna-se confusa, especialmente quando é empregado o termo “cáustico”. 

Esse termo tem um significado muito amplo, podendo incluir uma substância que provoca destruição química. Mas também se refere ao composto hidróxido de sódio, ou soda cáustica. 

Segundo o dicionário Aurélio, o termo cáustico significa: “Característica de substância que queima ou corrói: soda cáustica. Característica de substância que causa irritação”. 

Neste sentido, o nosso texto sempre irá empregar o termo corrosivo para descrever substâncias químicas que apresentam a capacidade de provocar destruição tecidual e desenvolver queimaduras químicas. 

Leia também: Agentes neurotóxicos: toxicologia e tratamentos 

Classificações dos produtos corrosivos

Os ácidos e as bases podem ser classificados como orgânicos ou inorgânicos. Os inorgânicos não contêm carbono em suas estruturas químicas, como por exemplo, ácidos clorídrico, nítrico, fosfórico e sulfúrico. Já os orgânicos contêm carbono em suas estruturas, como por exemplo, ácido acético e ácidos cítricos.

Síndrome tóxica Agentes típicos Via de exposição Principal órgão afetado Toxicodinâmica
Corrosivo Ácidos: ácido nítrico, ácido sulfúrico, ácido clorídrico

Bases: hidróxido de amônia, hidróxido de sódio, hidróxido de potássio

Pele e membranas mucosas Vias aéreas e cardiovascular Irritante & Corrosivo

efeitos tóxicos locais que causam queimaduras químicas na pele e nas mucosas

Qual o potencial tóxico dos corrosivos?

Referente ao potencial tóxico dos produtos corrosivos, o principal efeito toxicodinâmico de praticamente todos os ácidos, bases, oxidantes e fósforo branco é provocar queimaduras químicas. Isso se deve à sua capacidade de destruição tecidual no local de contato. Ou seja, destroem, danificam os tecidos com os quais entram em contato. 

O íon hidrogênio (H+) produz os principais efeitos tóxicos para a maioria dos ácidos. Enquanto o íon hidróxido (OH) produz esses efeitos para as bases. Os corrosivos produzem efeitos tóxicos locais semelhantes a muitos gases irritantes que se dissolvem na água para produzir um ácido ou uma base.

Propriedades de alguns ácidos

Agente Estado Cor Odor Solubilidade água Ponto ebulição Pressão de vapor IDLH
Ácido acético Líquido Incolor Azedo, vinagre Miscível 117,9°C 11,4 mmHg 50 ppm
Ácido clorídrico Líquido solução aquosa

gás

Incolor a amarelo claro Pungente, irritante 67% a 30°C -85°C HCl(g) 40,5 atm. 50 ppm
Ácido nítrico Líquido Incolor, amarelo ou vermelho Acre, sufocante Miscível 82,8°C 48 mmHg 25 ppm
Ácido sulfúrico Líquido Incolor a marrom escuro Inodoro Miscível 337°C 0,001 mmHg 15 mg/m³

Propriedades de algumas bases

Agente Estado Cor Odor Solubilidade água Ponto ebulição Pressão de vapor IDLH
Hidróxido de amônia Líquido Incolor  Urina, intenso, pungente e sufocante Miscível  N.R. N.R. 300 ppm
Hidróxido de potássio Sólido Branco a amarelo Inodoro Miscível  1327°C 1 mmHg a 714°C N.R.
Hidróxido de sódio Sólido Incolor a branco Inodoro  Miscível  1388°C 0 mmHg 10 mg/m³

N.R. Não reportado

Propriedades de alguns agentes oxidantes 

Agente Estado Cor Odor Solubilidade água Ponto ebulição Pressão de vapor IDLH
Dióxido de cloro Gás  Amarelo a vermelho Desagradável, cloro, ácido nítrico 0,3% a 25°C 11°C 758 mmHg 5 ppm
Peróxido de hidrogênio Líquido  Incolor  Forte, agudo Miscível  141,1°C 5 mmHg a 30°C 75 ppm
Tetróxido de nitrogênio  Líquido  Incolor a amarelo N.R. Reage com água 21,15°C 904 mmHg 25°C N.R.

N.R. Não reportado

Propriedades dos compostos de fósforo

Agente Estado Cor Odor Solubilidade água Ponto ebulição Pressão de vapor IDLH
Fósforo preto Sólido  Preto  N.R. Insolúvel  448,3°C N.R. N.R.
Fosforo vermelho Sólido  Vermelho a violeta Inodoro  Insolúvel  Sublimado 416,1°C N.R. N.R.
Fosforo branco Sólido  Branco a amarelo Alho, acre Insolúvel  280°C 0,026 mmHg 5 mg/m³

N.R. Não reportado

Leitura recomendada: Gases asfixiantes: os perigos à saúde humana

Quais as vias de exposição aos produtos corrosivos?

Em geral, são 4 tipos de possibilidades de exposição aos químicos corrosivos:

  • Inalação de poeira (sólidos), névoas (líquido), ou fumos (vapores).
  • Contato com a pele e membranas mucosas
  • Ingestão 

Inalação

A inalação dos ácidos irá depender do estado físico do agente e por quaisquer processos físicos ou químicos que facilitem sua distribuição no trato respiratório. Alguns ácidos quando altamente concentrados podem “fumegar”, liberando um gás visível no ar. 

Exemplos de ácidos fumegantes incluem ácido sulfúrico fumegante e ácido nítrico fumegante. Soluções mais diluídas geralmente não têm pressão de vapor considerável, assim o ácido permanece dissolvido em sua matriz aquosa.

A inalação dos agentes oxidantes também depende do estado físico do agente e dos processos físicos ou químicos. Os riscos de inalação podem ocorrer a partir de oxidantes gasosos, por exemplo, cloro ou bromo. Ou se deve a processos físicos como explosões ou reações exotérmicas não controladas que criam uma dispersão no ar do agente, isto é, um aerossol.

Pele e mucosas

O contato da pele e das membranas mucosas com as substâncias corrosivas produz irritação ou corrosão. Tudo depende da concentração do agente, da duração do contato, da integridade da pele, e outros fatores.

Geralmente, a toxicidade destes compostos não é devido à absorção sistêmica, mas sim devido à ação tóxica no local de contato. Com isso, os produtos corrosivos produzem queimaduras químicas neste local de contato.

Já o contato dos agentes oxidantes com a pele ou membranas mucosas produz corrosão. O grau de corrosão do tecido, isto é, a profundidade da queima química depende da concentração do oxidante, da duração do contato, se a pele está intacta e de outros fatores. Geralmente, a toxicidade do oxidante é devido a um efeito tóxico local na área do contato. 

Saiba mais: Segurança química: como fazer o gerenciamento de produtos químicos?

Ingestão

A ingestão de ácidos concentrados pode provocar lesões locais nos tecidos e desnaturar as superfícies mucosas. Semelhante à pele, a lesão é um fenômeno local e não um efeito sistêmico. Somente alguns ácidos têm o potencial de lesão sistêmica.

A ingestão oral de um oxidante pode ser catastrófica devido a queimaduras químicas do trato gastrointestinal. Dependendo do poder oxidante do agente e de sua concentração, o trato gastrointestinal pode ser irritado, corroído ou até perfurado. 

Alguns agentes também podem ter toxicidade sistêmica. Por exemplo, os cromatos são absorvidos sistemicamente e são potencialmente tóxicos para o fígado e os rins. A ingestão de solução concentrada de peróxido de hidrogênio provoca corrosão da mucosa gastrointestinal com a geração de gás oxigênio sob pressão, resultando em um efeito semelhante a uma embolia.

Como funciona a toxicodinâmica dos produtos corrosivos?

Ácidos

Quando os ácidos entram em contato com o tecido provocam desnaturação proteica e causam necrose coagulativa. O termo “coagulativo” refere-se ao tecido queimado que forma um coágulo, uma superfície espessa, endurecida e semelhante a uma casca que limita um pouco a penetração mais profunda do ácido. 

O termo “necrose” refere-se ao tecido afetado pela necrose coagulativa estar morto. Ou seja, necrose significa morte.

Bases

As bases danificam, destroem os tecidos com os quais entram em contato. Geralmente, as bases são prejudiciais no local do contato e não são significativamente absorvidas e distribuídas.

Quando uma base penetra nos tecidos, o ânion hidróxido (OH) se dissocia do cátion que o acompanha (amônio, sódio, etc.) e desnatura as células, produzindo uma queimadura química ou destruição de tecidos chamada necrose liquefativa. 

A necrose liquefativa não é um coágulo ou crosta. Assim permite uma penetração mais profunda da base, sem o coágulo limitador de profundidade formado por queimaduras ácidas. Portanto, as bases geralmente produzem queimaduras químicas mais profundas e mais severas em comparação aos ácidos.

Oxidantes

Quando um agente oxidante penetra nos tecidos do corpo provoca uma reação de oxidação com os componentes celulares indiscriminadamente. Os agentes oxidantes são substâncias que removem elétrons de outro agente. O efeito é uma queimadura química corrosiva com rápida destruição de tecidos. 

Além disso, essas reações de oxidação são exotérmicas (produzem calor) e podem causar ferimentos térmicos. Se absorvidos sistemicamente, muitos agentes oxidantes podem causar hemólise e oxidação da hemoglobina em metemoglobina.

Leitura recomendada: Vamos conhecer mais sobre o Cianeto?

Quais os principais sinais e sintomas da exposição aos corrosivos?

A inalação de produtos corrosivos, vapores, névoas ou poeira pode causar irritação e queimaduras nas vias aéreas. Tosse, ardor e dificuldade em respirar. Também pode causar laringoespasmo, broncoespasmo e edema das vias aéreas superiores e inferiores.

Os ácidos, bases e oxidantes são, na maioria dos casos, altamente solúveis em água. Portanto, eles provocam efeitos nocivos principalmente nas vias aéreas superiores, quando inalados. Por exemplo, névoas oxidantes solúveis em água, como peróxido de hidrogênio, afetam os tecidos dos olhos, nariz, orofaringe e laringe, mas raramente afetam as vias aéreas inferiores.

O aparecimento de disfonia, tosse e aperto na garganta sugerem envolvimento das vias aéreas superiores. Rouquidão progressiva, estridor e afonia pressupõem obstrução das vias aéreas superiores. A irritação orofaríngea pode causar reflexos de vômito. A inflamação das vias aéreas inferiores, brônquios e bronquíolos pode resultar em sibilos e tosse. 

  • Sistema cardiovascular

Os produtos corrosivos afetam diretamente o sistema cardiovascular, produzindo queimaduras químicas na pele. E resultam em depleção de volume intravascular (hipovolemia) devido a perdas de fluidos por evaporação, perda de fluidos intravasculares de vasos sanguíneos danificados e espaçamento de fluidos intravasculares em tecidos edematosos. 

Além disso, afeta o coração indiretamente, pois provoca hipoxemia e hipovolemia.

  • Sistema nervoso

As lesões corrosivas causam hipoxemia e/ou hipovolemia e podem provocar disfunção do SNC, causar ansiedade, confusão, agitação, convulsões, diminuição do nível de consciência, coma e morte.

Os agentes oxidantes, às vezes, causam hemólise severa e/ou metehemoglobinemia que podem resultar em efeitos hipóxicos do sistema nervoso central.

Veja mais: Você já ouviu falar sobre toxicologia? Entenda tudo aqui

  • Pele e mucosas

Os agentes corrosivos podem causar queimaduras químicas na pele e nas mucosas. A severidade da queimadura dependerá da concentração da substância corrosiva e da duração do contato. As queimaduras provocadas pelos agentes corrosivos provocam dor no local.

As queimaduras químicas nos olhos são dolorosas e podem levar à perda visual.

Como fazer a descontaminação dos produtos corrosivos?

A duração do contato – isto é, o intervalo de tempo entre o contato com um corrosivo até a sua descontaminação (irrigação abundante) – é o principal determinante do resultado clínico para pessoas que apresentam queimaduras químicas.

Para pessoas contaminadas com agentes corrosivos (líquidos ou sólidos), a remoção rápida de roupas é o passo mais importante na descontaminação e pode remover 80 a 90% do agente. Em seguida, deve-se remover o agente da pele através de lavagem ou banho. 

Descontaminação respiratória

A descontaminação do sistema respiratório é realizada removendo a pessoa do local de exposição e fornecendo ventilação e oxigenação adequadas.

Descontaminação da pele

Para pessoas expostas aos vapores ou gases, pode ser necessário a remoção do local de exposição e remoção da roupa. Pode ser necessário a lavagem ou banho. Deve-se remover todas as roupas, joias, sapatos, etc. e recomenda-se a lavagem com água morna em abundância e com baixa pressão durante alguns minutos.

Deve-se ter cuidado ao realizar a lavagem das queimaduras químicas, pois em caso de aparecimento de bolhas, as mesmas podem ser perfuradas e liberar o líquido que conterá o agente corrosivo. Também deve-se ter cuidado com as dobras da pele, axilas, área genital e pés. 

Os pertences dos pacientes devem ser armazenados em recipientes apropriados (dupla embalagem em polietileno). Os materiais não porosos (por exemplo, joias com metais) geralmente podem estar contaminados.

Qual o tratamento para a exposição aos corrosivos?

  • Não há antídotos específicos para as queimaduras químicas.
  • Há tratamentos específicos para queimaduras provocadas pelo ácido fluorídrico.
  • Deve-se verificar a concentração, o volume e a duração do contato. Lembrar que as queimaduras provocadas por agentes corrosivos são progressivas e deve-se remover o agente corrosivo. 
  • Se estiver disponível, pode ser utilizado um agente anfotérico, imediatamente após o contato.
  • A depender da extensão da queimadura, será empregado corticoides, antibióticos, analgésicos.

Conheça a Chemical Risk

Para garantir que a sua empresa esteja apta a lidar com a exposição de trabalhadores a produtos corrosivos, conte com uma consultoria especializada em gestão e segurança química.

A Chemical Risk possui equipe técnica altamente especializada para fazer todo o processo de gestão dos produtos, com avaliação do risco, percepção do risco, inventário de produtos, fichas e pareceres.

Conheça todos os serviços de segurança química e os treinamentos in company oferecidos e solicite um orçamento agora mesmo!

Gostou deste artigo?

Share on facebook
Share on Facebook
Share on twitter
Share on Twitter
Share on linkedin
Share on Linkdin
Share on pinterest
Share on Pinterest

comentar

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *