Chemical Risk

atendimento@chemicalrisk.com.br
+55 (11) 4506-3196 / (11) 94732-0686 / (11) 94706-2278

Como funcionam as inspeções de segurança

Sabemos que a gestão de riscos é de importância fundamental quando pensamos em prevenção. Uma das ferramentas que muito auxiliam nesse desafio são as inspeções de segurança e é sobre isso que iremos tratar neste conteúdo. 

O que são inspeções de segurança?

Com o objetivo de identificar possíveis riscos para os trabalhadores e para o ambiente, as inspeções de segurança são medidas preventivas que testam a eficiência de ferramentas e prevenções e revelam métodos de trabalhos inadequados.

Toda inspeção de segurança se baseia na análise contínua dos indivíduos, das operações e grupos de operações e dos demais processos em um ambiente de trabalho. De acordo com o foco de cada inspeção, devem ser avaliados os fatores de risco segundo as propostas metodológicas mais aceitas. 

A partir disso, são identificados os agentes do acidente (fator humano, físico ou ambiental) e definidas as ações para controle ou neutralização dos mesmos. 

Leitura recomendada: Como conhecer os riscos químicos: perigos físicos e à saúde humana

Uma inspeção para ser bem aproveitada precisa ser planejada e o primeiro passo é definir o que se pretende com a inspeção e como fazê-la. 

Podemos, assim, concluir que as inspeções de segurança são aquelas destinadas à identificação, análise e tratamento dos riscos existentes no processo de trabalho.

Tipos de inspeção de segurança

As inspeções de segurança são realizadas por diversos motivos, com objetivos diferentes e programadas em épocas e intervalos variáveis. Dessa forma, são definidos vários tipos de inspeção. Estas podem ser: gerais, parciais, de rotina, periódicas, eventuais, oficiais e especiais. 

Vamos entender um pouco melhor sobre cada uma delas:

  • Inspeção Gerais: 

Visa identificar riscos e erros comuns que possam causar acidentes no ambiente de trabalho, define previamente uma listagem de itens a serem inspecionados e se existem irregularidades em relação aos mesmos, como por exemplo, defeitos de máquinas e equipamentos, ações inadequadas da equipe de trabalho, entre outros. 

Pode ser realizada pela equipe responsável pela segurança e medicina do trabalho e membros da Comissão Interna de Prevenção de Acidentes (CIPA). Geralmente, abrange toda área da empresa. Deve ser repetida sempre que necessário, porém deve haver regularidade nos intervalos desse tipo de inspeção. 

Leitura recomendada: Riscos dos produtos químicos no ambiente de trabalho: legislação e penalidades

  • Inspeções de Rotina: 

Busca levantar problemas logo no início da jornada de trabalho. É de responsabilidade dos encarregados dos setores de segurança, dos membros da CIPA, do pessoal que cuida da manutenção das máquinas, equipamentos e condutores de energia. 

Logo, deve ser adotada no dia a dia do trabalho. É muito importante que os próprios trabalhadores façam verificações em suas ferramentas, nas máquinas que operam e nos equipamentos que utilizam. 

Naturalmente, nas observações de rotina, os riscos procurados se manifestam com mais frequência e constituem as causas mais comuns de acidentes.

  • Inspeções Parciais: 

Essas avaliações são mais detalhadas, ocorrem apenas em determinadas áreas da empresa e somente em atividades em que já existe um problema. 

  • Inspeções Periódicas: 

É natural que ocorram desgastes dos meios materiais utilizados na produção. Por isso, de tempos em tempos, devem ser marcadas inspeções destinadas a descobrir riscos que o uso de ferramentas, de máquinas, de equipamentos e de instalações energéticas podem provocar. 

Algumas dessas inspeções são determinadas por lei, principalmente a de equipamentos perigosos, como caldeiras e mesmo de equipamentos de segurança como extintores e outros. Materiais móveis de maior uso e desgaste também merecem verificações periódicas.

Leia mais: Gerenciamento de Riscos Ocupacionais: como funciona e quais as mudanças?

  • Inspeções oficiais: 

Trata-se de inspeções realizadas por um órgão externo, que pode ser governamental ou regulatório, como por exemplo, o Ministério da Economia, o Ibama, a Vigilância Sanitária, a Delegacia Regional do Trabalho, entre outros. Seu objetivo é verificar a conformidade com a legislação, seja ela trabalhista, ambiental etc.  

No âmbito de órgão privado, podemos citar as inspeções realizadas por seguradoras para averiguar um sinistro.   

  • Inspeções eventuais: 

Este tipo não tem data ou períodos determinados. Visa realizar controles especiais de problemas importantes nos diversos setores da empresa. Vários técnicos, incluindo médicos e engenheiros, têm a capacidade de fazer este serviço, dependendo do que se quer analisar. 

Por exemplo, o médico pode realizar inspeções em ambientes ligados à saúde do trabalhador, como refeitórios, cozinhas, instalações sanitárias, vestiários e outros.

  • Inspeções especiais: 

Entre as inspeções de segurança, esta é mais específica, minuciosa e técnica. Para tanto, é preciso contar com profissionais especializados, equipamentos e aparelhos especiais. 

Nas inspeções especiais, as análises envolvem, por exemplo, a gravidade de ruídos ambientais, a presença de toxinas e demais aspectos que influenciam o bem-estar dos trabalhadores. Essa inspeção deve ser feita em conjunto com a CIPA.

Leitura recomendada: Como mapear o risco químico na sua empresa e fazer uma gestão responsável

Passo a passo de como fazer inspeções de segurança

Como você percebeu, a inspeção de segurança é um procedimento essencial em uma empresa que deseja evitar acidentes, melhorar a qualidade de vida dos funcionários e alcançar melhores indicadores de desempenho.

Ao considerar os diferentes ramos profissionais, desde as empresas do setor industrial até o agronegócio, cada caso deve ser pensado estrategicamente.   

O planejamento é uma das principais etapas. A elaboração de um cronograma facilita o engajamento de colaboradores e coloca em prática as melhores metodologias que o mercado tem a oferecer.

Todos os funcionários de Segurança e Saúde do Trabalho estão aptos a realizá-las. Seu objetivo é obter informações atualizadas sobre as atividades desenvolvidas no ambiente de trabalho, com o envolvimento de outros profissionais ou especialistas da empresa. Não se pode esquecer que esse é um processo multidisciplinar.

Além disso, visitas aos diferentes setores e áreas da companhia são imprescindíveis para entender como os processos acontecem e de que forma os colaboradores estão expostos.

Conforme já citamos, não existe um modelo pronto para uma inspeção eficiente. Porém, as etapas abaixo serão de grande ajuda para realizá-la: 

  • Identificar os riscos existentes;
  • Listar todos os perigos;
  • Procurar e identificar suas causas e origens;
  • Descobrir quais equipamentos e funcionários estão em risco;
  • Prever os danos que podem ser causados;
  • Planejar medidas para o controle e a correção de falhas operacionais;
  • Trabalhar com ferramentas de qualidade e com boa procedência no mercado.

Boas práticas em inspeções de segurança

Duas práticas que podem ajudar nesse processo de inspeção são a definição de rotinas de checagem de segurança e a realização de manutenções periódicas. 

A primeira delas permite tornar a inspeção uma rotina de ações programadas previamente e gerar processos bem delineados. Com o auxílio de softwares, é possível programar essas revisões, através do envio de alertas a todos os envolvidos no processo. 

Vale lembrar ainda que a utilização dos checklists digitais permitem o detalhamento de todas as etapas de cada inspeção. A cada ação concluída, o colaborador deverá fazer o check-in da tarefa. Essa informação evita esquecimentos, que são muito comuns. 

Já, no caso de máquinas, garantir manutenções periódicas permitirá a continuidade de funcionamento dos processos na empresa. Devemos lembrar que cada equipamento possui demandas específicas de avaliação, sendo que alguns devem ser checados mensalmente, outros anualmente. entre outros períodos.  

Para esse controle, é necessário o auxílio de uma ferramenta que permita a programação dessas manutenções com sistemas de alerta com antecedência necessária para sua realização.

Como a Chemical Risk pode te ajudar?

Como você pode perceber, a adoção de inspeções de segurança como ferramenta de gestão de riscos requer a utilização de profissionais especializados, tempo e controle, já que se trata de um processo contínuo. 

Então, a contratação de uma consultoria especializada ajudará a sua empresa na continuidade desse processo. Para isso, conte com a Chemical Risk! Temos experiência, conhecimento de mercado e equipe altamente qualificada para apoiar a sua organização na gestão de riscos químicos.

Assim, garantimos a segurança dos trabalhadores, evitando acidentes no manuseio dos produtos químicos. Dessa forma, sua empresa ainda cumpre com os requisitos das legislações vigentes e não corre o risco de sofrer multas.

Além de todos esses benefícios, seu negócio ainda melhora sua imagem junto aos funcionários, clientes e mercado. Para promover tudo isso e muito mais, a Chemical Risk possui diversos serviços em segurança química, incluindo toda a consultoria e gestão do risco químico. 

Também contamos com treinamentos in company para orientar e conscientizar os colaboradores em relação aos riscos associados.

Entre em contato conosco e solicite um orçamento gratuito agora mesmo!

Gostou deste artigo?

Share on facebook
Share on Facebook
Share on twitter
Share on Twitter
Share on linkedin
Share on Linkdin
Share on pinterest
Share on Pinterest

comentar

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *