Chemical Risk

+55 (11) 4506-3196 / (11) 94706-2278

GHS no Brasil – Ainda hoje um desafio para as empresas 

O Sistema Globalmente Harmonizado de Classificação e Rotulagem de Produtos Químicos, referido pela sigla GHS (do inglês Globally Harmonized System of Classification and Labeling of Chemicals), já é uma realidade no Brasil. No entanto, o GHS no Brasil ainda enfrenta desafios. Vamos conhecê-los!

O que é o GHS?

Em primeiro lugar, vamos falar sobre o que é o GHS. Trata-se de uma abordagem técnica desenvolvida com o objetivo de determinar os perigos específicos de cada produto químico e criar critérios de classificação.

Assim, são utilizados dados disponíveis sobre os produtos químicos e seus perigos já definidos para organizar e facilitar a comunicação da informação de perigo em rótulos e FISPQs (Ficha de Informação de Segurança de Produtos Químicos).

O que motivou a criação do GHS?

Os produtos químicos, envolvendo as diferentes etapas que envolvem desde a produção até o manuseio, transporte e uso, representam um risco real para a saúde humana e para o meio ambiente. Trabalhadores e pessoas que os utilizam são diariamente confrontadas com produtos perigosos (produtos químicos, pesticidas etc.).

Dada a grandiosidade do comércio global de produtos químicos e a necessidade de se desenvolver programas nacionais para garantir o uso, transporte e descarte seguros, foi estabelecida uma abordagem internacionalmente harmonizada para classificação e rotulagem. Tal enfoque forneceria a base para esses programas a fim de evitar riscos. 

Afinal, se os países tiverem informações consistentes e apropriadas sobre os produtos químicos que importam ou produzem em seus próprios países, será possível o estabelecimento de uma infraestrutura para controlar a exposição a produtos químicos, proteger as pessoas e o ambiente de maneira abrangente.

Como funciona o GHS?

Neste cenário apresentado, o chamado “Sistema Globalmente Harmonizado de Classificação e Rotulagem de Produtos Químicos (GHS)” foi criado. Ele trata classificação de produtos químicos por tipos de perigo e propõe elementos de comunicação de perigo harmonizados, incluindo etiquetas e fichas de segurança de produtos químicos. 

O objetivo é garantir a disponibilidade de informações sobre riscos físicos e toxicidade de produtos químicos a fim de melhorar a proteção da saúde humana. 

Dessa forma, o GHS fornece uma base para a harmonização de regras e regulamentos sobre produtos químicos nos níveis nacional, regional e mundial. O que é um fator importante também para a facilitação do comércio.

Leitura recomendada: Conheça a importância dos rótulos de produtos químicos para a comunicação dos perigos dos produtos químicos

O início de tudo da segurança química no Brasil

A obrigatoriedade de se classificar e rotular todos os produtos químicos já existe desde 1998, pelo Decreto 2657/1998, que promulga a Convenção nº170 da OIT relativa à Segurança na Utilização de Produtos Químicos no Trabalho. Tal documento foi assinado em Genebra em 1990. 

O Artigo 6 desta Convenção exige o estabelecimento de “sistemas e critérios específicos apropriados a todos os produtos em função do tipo e do grau dos riscos físicos e para a saúde que os mesmos oferecem, e para avaliar a pertinência das informações necessárias para determinar a sua periculosidade”.

O Artigo 7 da Convenção citada estabelece as exigências quanto à rotulagem e marcação. Já o Artigo 8 está relacionado à obrigatoriedade de elaboração das Fichas com Dados de Segurança.

Esse Decreto foi revogado pelo Decreto 10.088 /2019, que consolida, na forma de seus anexos, os atos normativos editados pelo Poder Executivo Federal que dispõem sobre a promulgação de convenções e recomendações da Organização Internacional do Trabalho.

Implementação do GHS

Na Conferência das Nações Unidas sobre Meio Ambiente e Desenvolvimento (ECO 92), realizada pela ONU, no Rio de Janeiro, foi assinada a Agenda 21. Entre outros temas, no Capítulo 19, discute-se uma gestão global de segurança de produtos químicos.

Logo, ficou estabelecida a criação de um sistema globalmente harmonizado para classificação e comunicação de perigos de produtos químicos. Como consequência, foram iniciadas as tratativas sobre o GHS, resultando, no ano de 2003, na publicação da 1ª edição do manual conhecido como Purple Book

Nesta convenção, 178 países se comprometeram a implementar esse sistema harmonizado. 

Leitura recomendada: Como conhecer os riscos químicos: perigos físicos e à saúde humana

Enfim, o GHS no Brasil

Em 2011, o então Ministério do Trabalho e Emprego, através da Portaria nº 299, publica a alteração da Norma Regulamentadora 26 (NR-26). Assim, torna obrigatório que:

  • Todo produto químico utilizado nos locais de trabalho deve ser classificado;
  • As embalagens devem estar devidamente rotuladas;
  • Os produtos devem possuir a respectiva FISPQ (Ficha de Informações de Segurança de Produto Químico) atendendo aos critérios e procedimentos definidos pelo Sistema Globalmente Harmonizado de Classificação e Rotulagem de Produtos Químicos (GHS). 
  • Os aspectos relativos à classificação, rotulagem e FISPQ devem atender ao disposto em norma técnica oficial vigente. 

A NR-26 estabelece ainda que os trabalhadores devem receber treinamento para compreender a rotulagem e a FISPQ, bem como para entendimento dos perigos, riscos, medidas e procedimentos de uso seguro e situações de emergência.

Medidas normativas do GHS no Brasil

No Brasil, a Associação Brasileira de Normas Técnicas (ABNT), que é o órgão oficial normativo, publicou em 2019 a série de normas ABNT NBR 14725 (partes 1, 2, 3, 4), elaboradas de acordo com a primeira revisão do Purple Book.

Dessa forma, ficou exigido que, a partir de 2011, todas as substâncias puras já deveriam estar obrigatoriamente classificadas, rotuladas e providas de FISPQ de acordo com o GHS. Já os produtos constituídos por misturas deveriam estar adequados a partir de 2015.  

Atualmente, estão em vigor as seguintes normas:

  • ABNT NBR 14725-1:2009 Versão Corrigida:2010 – Produtos químicos – Informações sobre segurança, saúde e meio ambiente. Parte 1: Terminologia. 
  • ABNT NBR 14725-2:2019 Emenda 1:2019 – Produtos químicos – Informações sobre segurança, saúde e meio ambiente. Parte 2: Sistema de classificação de perigo. Esta Emenda 1, de 13.06.2019, em conjunto com a ABNT NBR 14725-2:2009 Versão corrigida:2010, equivale à ABNT NBR 14725-2:2019.
  • ABNT NBR 14725-3:2012 Emenda 1:2017 – Produtos químicos – Informações sobre segurança, saúde e meio ambiente. Parte 3: Rotulagem. Esta Emenda 1, de 14.08.2017, em conjunto com a ABNT NBR 14725-3:2012, equivale à ABNT NBR 14725-3:2017.
  • ABNT NBR 14725-4:2012 Emenda 1:2014 – Produtos químicos — Informações sobre segurança, saúde e meio ambiente. Parte 4: Ficha de informações de segurança de produtos químicos (FISPQ). Esta Emenda 1 de 18.11.2014, em conjunto com a ABNT NBR 14725-4:2012, equivale à ABNT NBR 14725:2014.

Obstáculos do GHS no Brasil

Apesar de todos os esforços e legislações pertinentes, ainda hoje pode ser observado que muitas empresas ainda não atendem às exigências da Norma Regulamentadora 26 e consequentemente às Normas da ABNT citadas. 

Tal constatação é proveniente da qualidade das FISPQs e da Rotulagem das embalagens de produtos químicos. 

No entanto, vale lembrar que o atendimento a essa legislação é fundamental. Isso porque facilita a aceitação dos produtos no mercado, seja ele nacional ou internacional, uma vez que a globalização assim o exige.

Como atender às exigências do GHS no Brasil

Sua empresa está atendendo as exigências da série de NBR 14725? A partir do momento que se conhece todos os critérios, será possível realizar a classificação dos perigos de produtos químicos na sua indústria ou empresa. 

Para desenvolver esse processo na sua organização, conte com uma consultoria especializada em segurança química.

A Chemical Risk consegue auxiliá-lo nesse processo, uma vez que possui expertise de mercado e a experiência necessária para a classificação de perigos e rotulagem. 

Atuamos com profissionais experientes e qualificados para realizar as atividades de forma personalizada, de acordo com as necessidades da sua empresa.

Nossa consultoria fornece os documentos de segurança química, implementação do GHS e auditoria da NR-26 e demais serviços. 

Oferecemos ainda um curso online para a classificação dos perigos de produtos químicos, de forma que você poderá entender melhor o que é GHS.  

Ficou interessado nas nossas soluções? Entre em contato conosco agora mesmo!

Gostou deste artigo?

Share on facebook
Share on Facebook
Share on twitter
Share on Twitter
Share on linkedin
Share on Linkdin
Share on pinterest
Share on Pinterest

comentar

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.