Chemical Risk

+55 (11) 4506-3196 / (11) 94706-2278

Elaboração de FISPQ e Ficha de Resíduos: quem pode fazer?

Já falamos aqui no blog sobre a importância da FISPQ (Ficha de Informações de Segurança de Produtos Químicos), a obrigatoriedade do documento e a diferença para a ficha de emergência. Hoje, vamos abordar um pouco mais sobre o histórico da FISPQ e quem pode fazê-la. Confira!

Obrigatoriedade da FISPQ

O decreto 2657 de 03 de julho de 1998, responsável por promulgar a Convenção 170 da Organização Internacional do Trabalho (OIT), estabelece algumas responsabilidades referente ao Direito do Saber do Trabalhador. O que significa: “que o trabalhador tem o direito de conhecer os perigos dos produtos químicos manuseados na sua atividade de trabalho”.

Para tal, foi necessário a adoção de um sistema de classificação de perigo dos produtos químicos. No Brasil, o sistema adotado foi o GHS e sua implementação está embasada pela Norma Regulamentadora NR-26 do Ministério da Economia (antigo Ministério do Trabalho) e a Norma da ABNT – NBR 14725.

Neste contexto, a FISPQ (Ficha de Informações de Segurança de Produtos Químicos) é um documento que tem como objetivo descrever os perigos dos produtos químicos.

A ficha também deverá fornecer diversas informações, como:

Por isso, a elaboração do documento e disponibilidade para os trabalhadores que manuseiam produtos químicos é uma obrigatoriedade legal.

Quem pode elaborar a FISPQ?

Segundo a descrição da NR-26, a ficha fica sob a responsabilidade da empresa fabricante ou importadora. Mas também pode ser elaborada por consultoria especializada em documentos de segurança química. Veja o que diz a legislação sobre o autor do documento e outros itens importantes:

“26.2.3 O fabricante ou, no caso de importação, o fornecedor no mercado nacional deve elaborar e tornar disponível ficha com dados de segurança do produto químico para todo produto químico classificado como perigoso.”

“26.2.3.1 O formato e conteúdo da ficha com dados de segurança do produto químico devem seguir o estabelecido pelo Sistema Globalmente Harmonizado de Classificação e Rotulagem de Produtos Químicos (GHS), da Organização das Nações Unidas.”

“26.2.3.2 Os aspectos relativos à ficha com dados de segurança devem atender ao disposto em norma técnica oficial vigente.”

Como é a organização da FISPQ?

A FISPQ deverá estar de acordo com o preconizado na Norma Técnica Oficial Vigente. Esta regra é estabelecida pela Associação Brasileira de Normas Técnicas ABNT, por meio da NBR 14725. De acordo com essa norma técnica, a FISPQ deverá apresentar as seguintes seções:

  • 1: Identificação
  • 2: Identificação de perigos
  • 3: Composição e informação sobre os ingredientes
  • 4: Medidas de primeiros-socorros
  • 5: Medidas de combate a incêndio
  • 6: Medidas de controle para derramamento ou vazamento
  • 7: Manuseio e armazenamento
  • 8: Controle de exposição e proteção individual
  • 9: Propriedades físicas e químicas
  • 10: Estabilidade e reatividade
  • 11: Informações toxicológicas
  • 12: Informações ecológicas
  • 13: Considerações sobre destinação final
  • 14: Informações sobre transporte
  • 15: Informações sobre Regulamentações
  • 16: Outras informações

Leia também: Assessoria de segurança química: o que é Chemical Compliance e como se adaptar à legislação?

Quais os principais benefícios da FISPQ?

A FISPQ é um documento de extrema importância nas medidas implementadas para a gestão do risco químico e preservação da segurança e saúde dos trabalhadores. 

Dessa forma, deve-se ser exigido aos responsáveis pelo fornecimento da FISPQ por documentos completos e com informações de qualidade, diante do impacto já mencionado.

O que é FDSR e qual sua obrigatoriedade?

Depois de falar sobre a FISPQ e os responsáveis por sua elaboração, vamos abordar a Ficha de Dados de Segurança de Resíduo Químico. Este documento de segurança química tem como objetivo descrever as informações do resíduo químico gerado.

Nele, são descritas informações como:

  • Fonte geradora do resíduo;
  • Perigos do resíduo;
  • Condições de manuseio e armazenamento seguro;
  • Medidas para a equipe de atendimento a emergências;
  • Ações em caso de acidentes, entre outras.

A elaboração da ficha de resíduos é de responsabilidade da empresa geradora do resíduo e obrigatória para todos os resíduos classificados como perigosos. O gerador do resíduo químico deve tornar disponível ao receptor e ao usuário um documento completo, o qual deverá conter informações referentes à segurança, saúde e ao meio ambiente.

A ficha de resíduos passou a ser exigida devido ao Decreto Federal n°2.657/1998 que ratificou a Convenção n°170 da Organização Internacional do Trabalho (OIT). No decreto, estão descritas as questões voltadas à segurança e utilização de produtos químicos.

A ABNT, com a publicação da NBR 16725, é uma referência obrigatória para a elaboração do documento. 

Saiba mais: Erros comuns na manipulação de produtos químicos e como evitá-los

Como é a organização da ficha de resíduos?

Segundo a NBR 16725:2014, a FDSR deve conter as seguintes seções obrigatórias:

1: Identificação do resíduo químico e da empresa;

2: Composição básica e identificação dos perigos;

3: Medidas de primeiros-socorros;

4: Medidas de controle para derramamento ou vazamento e de combate a incêndio;

5: Manuseio e armazenamento;

6: Controle de exposição e proteção individual;

7: Propriedades físicas e químicas;

8: Informações toxicológicas;

9: Informações ecológicas;

10: Considerações sobre tratamento e disposição;

11: Informações sobre transporte;

12: Regulamentações;

13: Outras informações.

Quem pode ser o responsável pela elaboração da FISPQ e da FDSR?

De acordo com a NBR 14725 e com a NBR 16725, “a FISPQ/FDSR é um documento de cunho multidisciplinar, por apresentar informações relacionadas a diversos aspectos, como meio ambiente, saúde humana, aspectos físicos e químicos, primeiros-socorros, transporte, entre outros. 

A responsabilidade pelas informações são da empresa fornecedora do produto ou a geradora do resíduo químico. Portanto, é esperado que esta possua profissional ou uma equipe de profissionais com conhecimento multidisciplinar, envolvendo as áreas de segurança, saúde humana e meio ambiente, para atender a todas as informações obrigatórias que constam na FISPQ/FDSR, não sendo obrigatória a inclusão do nome e registro de qualquer profissional na FISPQ/FDSR.”

Conforme descrito pela NBR 14725 e NBR 16725, não há obrigatoriedade de ter um profissional específico para elaborar os documentos FISPQ e FDSR. Neste sentido, a empresa poderá elaborar seus documentos com uma equipe de profissionais, ou poderá contratar uma empresa de consultoria para realizar a elaboração dos documentos. 

Conheça a Chemical Risk

Especializada em segurança química, a Chemical Risk possui equipe com experiência, conhecimento e expertise para a elaboração de documentos como a FISPQ e a ficha de resíduos. Oferecemos também diversos cursos, como:

  • Classificação dos perigos de produtos químicos (GHS), elaboração de FISPQ e de Rótulos;
  • Gestão do risco químico;
  • Manuseio seguro de produtos químicos;
  • E muito mais!

Também realizamos consultoria completa em gestão de segurança química e temos treinamentos online.

Sua empresa precisa de ajuda na elaboração de documentos, em chemical compliance ou outros serviços de segurança química? Entre em contato agora mesmo, solicite um orçamento e veja como podemos te auxiliar! Enviaremos uma proposta personalizada de acordo com as suas necessidades.

Gostou deste artigo?

Share on facebook
Share on Facebook
Share on twitter
Share on Twitter
Share on linkedin
Share on Linkdin
Share on pinterest
Share on Pinterest

comentar

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.