Chemical Risk

atendimento@chemicalrisk.com.br
+55 (11) 4506-3196 / (11) 94732-0686 / (11) 94706-2278

Mas afinal o que é o medicamento hidroxicloroquina?

Em meio à pandemia da COVID-19, o medicamento hidroxicloroquina, à base de cloroquina, ganhou muita visibilidade nos últimos dias. Por isso, neste texto, vamos conhecer melhor este medicamento e nada melhor para começar do que falar sobre a quinina.

A quinina é um alcaloide de gosto amargo que tem funções antitérmicas, antimaláricas e analgésicas. Extraída da quina, a substância é um pó branco, inodoro e é empregada para o tratamento de malária e arritmias cardíacas como fármaco. Já, na indústria de bebidas, é usada como flavorizante da água tônica.

Como se deu sua origem? Em 1820, os químicos franceses Joseph Pelletier e Joseph Caventou isolaram a quinina das cascas de Cinchona e a identificaram como sendo um alcaloide. Só muito mais tarde, a substância foi reconhecida como um alcaloide da classe dos quinolínicos.

Após todas as pesquisas, foi desenvolvido o medicamento hidroxicloroquina, aprovado para uso médico nos Estados Unidos em 1955.

Tal medicamento faz parte da Lista de Medicamentos Essenciais da Organização Mundial de Saúde. Esta é uma lista dos medicamentos mais eficazes, seguros e fundamentais num sistema de saúde.

Qual o emprego para o medicamento hidroxicloroquina?

Até o momento, o medicamento é utilizado para tratar:

  • Afecções reumáticas e dermatológicas;
  • Artrite reumatoide;
  • Artrite reumatoide juvenil;
  • Lúpus eritematoso sistêmico;
  • Lúpus eritematoso discoide;
  • Condições dermatológicas provocadas ou agravadas pela luz solar.

A hidroxicloroquina também é utilizado na prevenção e no tratamento da malária sensível à cloroquina, tais como crises agudas e tratamento supressivo de malária por Plasmodium vivax, P. ovale, P. malariae e cepas sensíveis de P. falciparum.

Quais as contraindicações para o uso deste medicamento?

É contraindicado em pacientes com retinopatias pré-existentes, pacientes com hipersensibilidade aos derivados da 4-aminoquinolona e em crianças menores de 6 anos.

Doses elevadas do medicamento hidroxicloroquina podem provocar graves efeitos a retina, uma vez que a toxicidade na retina é amplamente relacionada à dose. Assim, o risco de danos na retina é pequeno com a dose diária de até 6,5 mg/kg de peso. 

A hidroxicloroquina causa hipoglicemia severa incluindo perda de consciência que pode ser um risco para a vida em pacientes tratados com e sem medicação antidiabética. Existem raros relatos, que envolvem o uso de hidroxicloroquina e o aparecimento de comportamento suicida. 

O emprego deste medicamento durante a gestação também não é recomendado, já que a hidroxicloroquina atravessa a barreira placentária e existem poucos estudos sobre o impacto da substância. 

Em doses terapêuticas de hidroxicloroquina em gestantes, foram relatadas alterações no sistema nervoso central tais como ototoxicidade (auditiva e toxicidade vestibular, surdez congênita), hemorragia e pigmentação anormal da retina. 

Por isso, só se deve utilizar quando o médico avaliar que há benefícios potenciais que superam os riscos associados ao uso. 

Quais as principais reações adversas?

O medicamento hidrocloroquina pode provocar anorexia, exacerbação do quadro de porfiria, labilidade emocional, cefaleia, distúrbios oculares como visão borrada. 

Em alguns casos, pode ocorrer alterações na córnea incluindo opacificação e edema. Outros problemas englobam distúrbios gastrointestinais, como dor abdominal, náusea, diarreia, vômito, distúrbios de pele e do tecido subcutâneo como erupção cutânea e prurido.

Propriedades farmacocinéticas do medicamento hidroxicloroquina

A hidroxicloroquina é rapidamente absorvida após administração oral, com uma biodisponibilidade média de 74%. 

Então, a substância é amplamente distribuída pelo organismo e tende a se acumular nas hemácias e em alguns órgãos, como os olhos, rins, fígado e pulmões, onde pode ficar armazenada por um longo período.

Depois, o medicamento é biotransformado em produtos ativos da biotransformação pelo fígado e é excretado em sua maioria pela via renal e em menor porção pela via biliar.

A excreção é lenta, sendo a meia-vida de eliminação de aproximadamente 50 dias (sangue total) ou 32 dias (plasma). Além disso, a hidroxicloroquina atravessa a barreira placentária e possivelmente passa ao leite materno, como cloroquina.

Qual a eficácia da hidroxicloroquina no tratamento do vírus COVID-19?

Até este momento, não está confirmada a eficácia da hidroxicloroquina para curar as pessoas infectadas pelo COVID-19.

Há pesquisas em andamento na França, China, Estados Unidos e outros países para confirmar se o emprego da hidroxicloroquina associado ao antibiótico Azitromicina é efetivo.

Para que esses medicamentos sejam confirmados como eficazes contra o COVID-19, é necessária a realização de diversos testes e em um grande número de pacientes. Infelizmente, ainda teremos que aguardar a confirmação desses resultados para tratar de forma adequada e efetiva o COVID-19. 

Também existem diversas outras pesquisas sendo realizadas pelo mundo, e não apenas com esses dois medicamentos e sim com diversos fármacos. Sem contar que já estão em andamento os estudos sobre desenvolvimento de uma vacina, que ainda irá demorar um bom tempo para estar disponível para a população.

É importante nos mantermos em casa para minimizar a disseminação do vírus, bem como ficar atento e evitar o uso de medicamentos sem comprovação pelas agências da sua eficácia. Até porque muitos pacientes necessitam desses medicamentos para tratar doenças, como pacientes com lúpus (doença crônica e autoimune), doenças reumatoides e outras.

Gostou deste artigo?

Share on facebook
Share on Facebook
Share on twitter
Share on Twitter
Share on linkedin
Share on Linkdin
Share on pinterest
Share on Pinterest

comentar

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *